Caverna do Diabo

Você sabe qual é a maior caverna do estado de São Paulo? Se não, segue comigo neste post que vou te contar tudo sobre a Caverna do Diabo, localizada na região com a maior concentração de cavernas do Brasil, o Vale do Ribeira.

Esta formação rochosa tem mais de 6 km de extensão, mas apenas 600 metros estão abertos para visitação. A estrutura para o turismo é excelente, o trajeto é feito em passarelas de cimento com corrimões na lateral. Além disto, todo o interior é iluminado, eliminando a necessidade de lanternas e garantindo uma visão muito maior da beleza das rochas, repletas de estalactites e estalagmites formadas ao longo dos últimos 2 milhões de anos.

O passeio tem uma duração de 1h a 1h30, dependendo do quanto você quiser parar para tirar fotos e conversar sobre as curiosidades da caverna com o guia. Este último, a contratação é obrigatória para garantir a sua segurança e preservação do ambiente. O valor é de R$ 16,00 por pessoa e ele pode acompanhar um grupo de no máximo 12 pessoas. Além desta taxa, também é cobrado R$ 16,00 para entrar no Parque Estadual da Caverna do Diabo, totalizando R$ 32,00 a visita.

E aí, animado para organizar sua viagem para a região das cavernas? Então se liga nessas dicas e sugestões.

O clima no interior das cavernas independe do clima do exterior, elas têm um microclima próprio. Ou seja, no verão ou inverno, a temperatura e umidade da caverna sempre são os mesmos. Então, você pode planejar sua visita em qualquer época do ano.

Se você achou a Caverna do Diabo muito light e quer mais aventuras, o Parque Estadual de Intervales possui vários passeios de travessia em cavernas, com 1 a 2 km de caminhada (algumas eu mesmo fiz). Aqui é necessário o uso de lanternas, pois a maior parte do trajeto não tem nenhuma iluminação natural. Se a bateria acabar já era, não dá para ver nada. 

Nos passeios que eu fiz passamos por cachoeiras dentro das cavernas, tivemos que andar pelo meio do rio e cruzar buracos com a água na cintura e ao final escalamos uma cachoeira com auxílio de cordas para chegar na saída.

Artigo anteriorGuilin
Meu nome é Felipe Pessina, eu tenho 22 anos e sou estudante de computação na Unicamp. Eu cresci no interior de São Paulo em Lençóis Paulista. Mas, como para todo viajante, a cidade era muito pequena para mim. Então criei o Roteiros Práticos, para compartilhar minhas experiências, aprendizados e roteiros ajudando vocês a viajarem mais e melhor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui